Que a pandemia do novo coronavírus forçou a adoção do home office por empresas dos mais diversos setores e tamanhos, todo mundo sabe. E, se aumentamos o número de computadores e redes que interagem entre si para o trabalho, aumentamos também o número de potenciais pontos de falha na segurança. Por isso, é tão importante entender como proteger a VPN das empresas.

A espionagem digital se tornou prática comum para ganhar vantagem competitiva contra grandes empresas. E os ataques de ransomware, que podem inutilizar arquivos e exigir pagamento como resgate, cresceram como nunca.

E a pior parte é que, mesmo as empresas que usam a VPN (rede virtual privada e criptografada), têm de lembrar que o computador dos colaboradores estará em uma rede doméstica ou ponto de acesso público.

Ou seja, os recursos internos (sistema ERP, rede de arquivos, CRM, etc.) transitam pela VPN de forma segura, mas o restante não.

Na navegação de sites – especialmente sites de compras, redes sociais e outras plataformas -, o colaborador estará utilizando a internet doméstica sem nenhuma restrição e segurança em seu computador corporativo. Sem perceber, ele pode acessar algum site considerado inseguro que contenha algum malware ou código malicioso, que pode infectar o computador. Às vezes, de maneira quase imperceptível, o que pode levar até ao sequestro de dados!

Veja mais nesse post sobre roubo de dados aqui!

Por isso, mais do que nunca, confira como proteger a VPN das empresas no home office

1. Definir políticas de segurança:

O primeiro passo para fortalecer a segurança da informação no home office é a criação de um documento com políticas e práticas de segurança. A ideia é listar as responsabilidades de cada profissional ao utilizarem as redes da companhia;

2. Conscientizar os colaboradores sobre a VPN da empresa:

Em seguida, é importante conscientizar os colaboradores da sua empresa. Afinal, são eles os usuários com maiores chances de serem expostos caso não sigam as políticas de segurança. É necessário, portanto, garantir que todos estejam conscientes das melhores práticas e responsabilidades a serem tomadas, além de estarem mais preparados para não caírem em golpes;

3. Fazer o controle dos dispositivos:

O acesso à tecnologia é cada vez mais fácil, mas a variedade de opções pode criar um problema mais grave. Afinal, nem todos os dispositivos têm o nível de segurança e proteção necessário para evitar um ataque. Portanto, faça uma varredura por todos os dispositivos utilizados pela sua equipe para acessar a rede da empresa;

4. Criar conexões mais seguras: 

A criação de conexões mais seguras também é outra necessidade em tempos de home office. A VPN (Virtual Private Network ou Rede Virtual Privada) é a melhor opção. Além de ser necessária a autenticação do usuário para o acesso, é criado um canal criptografado para a troca de informações. Hoje há provedores de serviços gerenciados (MSPs), como a CS Global IT, capazes de oferecer um pacote de serviços de segurança para atender às necessidades da sua empresa, incluindo gerenciamento de software antivírus, instalação de firewalls e proteção de e-mail de conteúdo malicioso.

5. Monitorar regularmente:

Além de todas as ações acima, também é fundamental monitorar de perto o tráfego da rede. Assim, fica mais fácil identificar comportamentos estranhos e potenciais tentativas de invasão. Afinal, para proteger a sua rede e o sistema da sua empresa é preciso saber quais são as vulnerabilidades ou erros sendo cometidos.