A cada dia que passa os golpes na internet estão mais sofisticados. Uma ação comum dos cibercriminosos é direcionar os usuários para sites não seguros – mas idênticos aos sites verdadeiros – para, então, solicitar e roubar informações confidenciais. Mas como saber se você está navegando em um site seguro ou se é uma fraude?

A primeira e mais essencial das dicas é quase que um mantra: não clique em links suspeitos! Promoções difíceis de acreditar, e-mails de remetentes desconhecidos, anúncios incoerentes no Instagram e por aí vai…

Em segundo lugar – e não menos importante -, é bom lembrar de ficar sempre atento! Afinal, algumas vezes, a aparência do site já denuncia que ele é falso. Normalmente, são aqueles sites cheios de spams, alertas piscantes, aqueles em que você mal consegue clicar diante de tantos pop-ups que aparecem na tela, ou quando há um redirecionamentos imediato, que te leva a um ambiente completamente diferente, e, ainda, aqueles sites em que aparece, de cara, um alerta do Google com uma mensagem como “Este site pode ser perigoso para seu computador”.

Confira também como identificar e evitar os principais ataques cibernéticos.

Mas há também algumas ferramentas que podem te dar uma mãozinha na hora de identificar sites não seguros ou fraudes. Confira:

1. Use as ferramentas de segurança do seu navegador

Todos os navegadores têm integradas ferramentas que podem bloquear pop-ups, enviar solicitações  de não rastrear para sites, desativar conteúdos em Flash, impedir downloads e controlar acesso a câmera, microfone, etc. É só acessar as configurações do seu navegador e ativa-las.

2. Use uma ferramenta para identificar sites seguros

O Google mesmo conta com uma forma rápida de conferir se um site ou uma URL é segura. É só acessar a Navegação Segura do Google, copiar e colar qualquer URL na caixa de pesquisa e apertar a tecla Enter. Pronto! O Navegação Segura do Google testará a URL e, em alguns segundos, apresentará um relatório sobre sua reputação.

3. Verifique as URLs

Além disso, você também pode – e deve – conferir a URL “manualmente”. Ou seja, antes de sair clicando, passe o ponteiro do mouse sobre o link para verificar se a URL ao qual ele está vinculado é mesmo o que parece. Também é bom ficar de olho se está tudo escrito corretamente. Frequentemente, cibercriminosos substituem caracteres visualmente semelhantes das URLs para enganar.

4. Procure pelo cadeado de segurança

Sites seguros contam com um cadeado na barra de navegação do navegador. Isso atesta que ele está usando um certificado digital SSL confiável. Em outras palavras, sua conexão está protegida. Caso o cadeado não esteja lá, faça suas compras em outro lugar.

5. Procure pela política de privacidade

Sites com boa reputação têm uma página com política de privacidade, que é uma exigência da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Ela geralmente fica no fim da página e explica como a empresa cuida dos dados pessoais. Outra exigência da lei acatada por sites seguros é a solicitação de permissão de cookies.

6. Não confie cegamente em selos de segurança

Selos de segurança geralmente aparecem em lojas online na tentativa de mostrar confiança. Mas alguns sites ilegítimos também usam essas imagens. O ponto é que não é muito difícil de adicioná-las. Milhões de sites simplesmente copiam e colam os ícones, mas não contam com nenhuma ferramenta de segurança.

7. Use o whois para procurar pelo dono do domínio

Para saber quem está por trás de um site também é possível fazer uma consulta do tipo “whois” (who is, em inglês) para descobrir quem é o proprietário do domínio, onde e quando o site foi registrado, informações de contato, entre outros. Basta inserir a URL no campo de pesquisa aqui.